10 motivos para termos inveja do Campeonato Mexicano
19/12/2019 01:28 em Esportes

 

A ideia de ter times dos Estados Unidos e Canadá participando da Libertadores gerou expectativa, mas não deve se concretizar: "Não tem absolutamente nada. Os rumores vêm do México, mas não existe negociação", esclareceu o presidente da Conmebol, Alejandro Domínguez. Enquanto isso, o Campeonato Mexicano segue com planos de se unir à Major League Soccer (MLS), o que criaria uma grande liga norte-america

"É uma possibilidade a liga norte-americana. Temos que determinar como e ver os prós e contras, mas acredito que é uma forma de crescer e competir", declarou o presidente da Liga MX, Enrique Bonilla, lembrando que seria mais uma forma de integração entre os países que serão sede da Copa do Mundo de 2026.

O primeiro passo já foi dado com a criação da Campeones Cup, disputada entre o campeão mexicano e o vencedor da MLS. Com grande audiência nos Estados Unidos, a Liga MX se aproxima cada vez mais do mercado mais poderoso do mundo. Estariam os mexicanos pensando muito à nossa frente? Ainda é cedo para saber. Mas não faltam motivos para invejar o campeonato deles:  

  • Imagem: Eduardo Verdugo/AP Photo

Astros estrangeiros

Pela geografia e pelo modelo de investimento dos clubes locais, o México é o país da América Latina que mais recebe jogadores de diferentes continentes. O francês André-Pierre Gignac (foto), do Tigres, e o japonês Keisuke Honda, ex-Pachuca, são alguns dos principais exemplos. Ambos trocaram a Europa pela liga mexicana. No Brasil, a grande maioria dos estrangeiros vem da América do Sul.

  • Imagem: Reprodução/pursuitist

Mercado da bola mais quente

No México, os times não são associações esportivas, mas franquias. Seus proprietários investem nelas e as administram como se fossem empresas. O que significa mais dinheiro para contratar, e explica a aquisição de mais jogadores de outros mercados, como o europeu. Nos últimos cinco anos, segundo o jornal The Guardian, times mexicanos investiram R$ 1,5 bilhão em contratações, valor 26% maior que o total gasto pelos clubes brasileiros. O empresário Carlos Slim (foto), sexto homem mais rico do mundo, é um desses investidores: ele é o dono do Pachuca e do León.

  • Imagem: AFP PHOTO/Hector GUERRERO

"Cota" para jovens

Todos os 18 times do Apertura 2018 são obrigados a conceder pelo menos 765 minutos de jogo para atletas menores de 21 anos. No Clausura 2019, a cota vai aumentar para 1.000 minutos. A medida já tinha sido tomada ebtre 2005 e 2011, período em que a Liga MX revelou nomes como Javier "Chicharito" Hernandez (foto), Hector Moreno e Andres Guardado.

  • Imagem: Getty Images

Mata-mata

Um ponto polêmico, mas que certamente fará brilhar os olhos dos saudosistas do antigo formato do Brasileirão. Assim como a Major League Soccer, o Campeonato Mexicano tem "playoffs": depois que todos os times jogam entre si, os oito melhores disputam um mata-mata, ou "liguilla", como chamam no México. É assim que se definem os campeões dos torneios Apertura e Clausura. A classificação combinada dos dois turnos só serve para definir as vagas continentais e os potes do sorteio da Copa MX.

  • Imagem: RONALDO SCHEMIDT / AFP

Sem rebaixamento

Se o seu time está lutando para não cair, saiba que o rebaixamento está suspenso no Campeonato Mexicano até 2020, quando o número de clubes na primeira divisão terá aumentado de 18 para 20. A equipe que terminar na última posição da tabela "conservará o seu lugar na primeira divisão, mas deverá realizar uma contribuição econômica que será utilizada em benefício de ambas as divisões". Quem está de olho nessa regra é Maradona, que precisará ser campeão da Liga MX Ascenso se quiser levar o Dorados de Sinaloa para a elite.

  • Imagem: Reprodução/Instagram

Estádios modernos

O México só vai sediar a Copa em 2026, mas já está bem adiantado no que diz respeito aos estádios. Pelo menos dez arenas foram construídas ou reformadas recentemente, incluindo o mítico Azteca e o luxuoso Estádio BBVA Bancomer (foto), do Monterrey, inaugurado em 2015. Para 2021, está prevista a entrega da nova arena do León, cujo projeto inclui um shopping com salas de cinema e até um hotel com vista para o campo.

  • Imagem: Azael Rodriguez/Getty Images

Arquibancadas cheias

Com uma taxa de ocupação de cerca de 50% nos estádios, a Liga MX tem média de público de 23.275 torcedores por jogo, segundo dados do site WorldFootball.net. É a sexta maior do mundo, atrás dos campeonatos nacionais da Alemanha, Inglaterra, Espanha, Itália e China. E bem à frente do Brasileirão, cuja média atual é de 19.677 pagantes.

  •                                   Imagem: Fernando Moura/UOL

Jogos pelo Facebook

Graças a uma parceria entre o Facebook e o canal Univisión, os torcedores têm acesso às transmissões em inglês de 46 jogos da Liga MX através da rede social. A audiência do Campeonato Mexicano no Estados Unidos chega a ser maior que a da própria MLS. No Brasil, a partir de 2019, os jogos de quinta-feira da Libertadores também serão dispinibilizados gratuitamente na plataforma.

 

  •                                                Imagem: Getty Images

Salários não atrasam

A Federação Mexicana de Futebol dispõe de um fundo para evitar que jogadores fiquem sem receber salários. No começo de cada temporada, a entidade recolhe US$ 5 milhões (R$ 18 milhões) de cada time. Caso haja atraso de vencimentos, este dinheiro é utilizado para efetuar os pagamentos pendentes.

 Imagem: Xinhua/Luis Licona

Calendário acompanha datas Fifa

Sabe quando aquele jogador do seu time é convocado para a seleção e vira desfalque em um jogo importante? Esse tipo de polêmica não acontece no México, onde o campeonato é interrompido durante as datas Fifa. Ou seja, se a seleção mexicana está jogando, os times locais ganham uma folga no calendário, eliminando as hipóteses de favorecimento a uma ou outra equipe.

 

Créditos: UOL

Foto de capa: Torcedores do Chivas Guadalajara no 1° jogo da decisão da Libertadores 2010, contra o Internacioal no Omnilfe Stadium, em Guadalajara

 

 
 
COMENTÁRIOS
Comentário enviado com sucesso!