Hoje é aniversario de Dida, um dos maiores goleiros do futebol brasileiro
07/10/2019 17:41 em Esportes

Nelson de Jesus Silva nasceu em Lagoa da Canoa, em Alagoas, no dia 7 de Outubro de 1973. Tem como característica a sua alta estatura, além de ser chamado de Homem de Gelo (por ser muito serio em suas atuações).

Seus clubes de juventude foram o Asa de Arapiraca e o Cruzeiros (ambos de Alagoas). Começou a se destacar no Vitória da Bahia, ajaudando a equipe a chegar na decisão do campeonato brasileiro de 1993, onde perdeu para o Palmeiras. No mesmo ano Dida chegou a seleção brasileira através da equipe sub-20, sendo titular na campanha do tricampeonato mundial da categoria realizado na Austrália.

Em 1994 Dida foi para o futebol mineiro jogar no Cruzeiro e logo ajudou a equipe na conquista do título mineiro do mesmo ano. Em 1995 ele estreou na Seleção Brasileira profissional nos dois primeiros jogos contra o Equador (1x0) e Peru (2x0) da Copa America disputada no Uruguai em 95 sendo o titular no lugar do veterano Taffarel (que tava cumprindo suspensão de dois jogos oficiais por ter usado luvas com propagandas na Copa de 94). Logo se tornou titular da equipe pré-olímpica, ganhando o Torneio classificatório para as Olimpíadas de Atlanta em 96. No Cruzeiro, ajudou a raposa nas conquistas da Copa do Brasil e do campeonato mineiro (ambos em 1996). Na estréia da seleção na Olimpíada de Atlanta, Dida trombou com o zagueiro Aldair, resultando no gol da derrota de 1x0 para o Japão. O Brasil se re-erguer venceu ainda na primeira fase a Hungria (3x1) e a Nigéria (1x0). Nas quartas de final, vitória de virada sobre Gana (4x2). Na semifinal a equipe voltou a se encontrar com a Nigéria e nela veio a inesperada derrota de 4x3 na prorrogação.

Em 1997 foi a recuperação de Dida. Suas defesas ajudaram o Cruzeiro a ganhar o segundo título mineiro seguido e a sua segunda Copa Libertadores da America. No fim do ano voltou a ser convocado para a Seleção Brasileira, onde foi titular na conquista da Copa das Confederações na Arabia Saudita. Em 1998 Dida foi campeão mineiro pela terceira vez seguida pelo Cruzeiro, além de ter sido o terceiro goleiro do Brasil na Copa de 98 na França.

Em 1999 Dida vai para o futebol suíço para jogar no Lugano, onde não se adaptou. No mesmo ano ele foi o titular da seleção brasileira na conquista da Copa America no Paraguai, onde se destacou pegando pênaltis contra o Chile e contra a Argentina. Dida também foi titular na perda da Copa das Confederações para o anfitrião México. Ainda em 1999 ele retornou ao futebol brasileiro para jogar por emprestimo no Corinthians, ajudando na conquista do terceiro título brasileiro do clube.

Em 2000 Dida vai para o futebol italiano para jogar no Milan, mas sua primeira passagem no rossoneri ficou marcada por sua suspensão pelo uso de passaporte falso para entrar no país. Na seleção Dida perder a vaga de titular para Rogério Ceni nas Eliminatórias para a Copa de 2002. Ele volta a ser titular na Copa das Confederações na Coréia do Sul/Japão 2001. A equipe comandada por Emerson Leão chegou a semifinal, onde perdeu para a futura campeã França. Pra piorar, a equipe perdeu de 1x0 para a Austrália na disputa do 3º lugar e Leão foi demitido. Com a chegada Luis Felipe Scolari, Dida perde a camisa 1 para Marcos. Por conta da suspensão no futebol italiano Dida volta a ser emprestado para o Corinthians, ajudando a equipe na conquista do Torneio Rio-São Paulo e da Copa do Brasil (ambos em 2002). Dida é convocado por Felipão para ser o segundo goleiro na conquista do penta na Copa da Coréia do Sul/Japão em 2002.

Em 2002 terminou a suspensão de Dida e ele retorna ao Milan, ajudando na final contra a Juventus na decisão nos pênaltis pegando três cobranças, conquista da sexta Liga dos Campeões (2003). Dida voltou a ser titular da seleção, mas a equipe foi eliminada na primeira fase da Copa das Confederações na França em 2003. Dida conquista com o Milan um título italiano (2004).

Em 2005 Dida foi o titular da seleção na conquista da sua segunda Copa das Confederações na Alemanha. No ano seguinte se torna o primeiro goleiro afro-brasileiro titular na Copa do Mundo na Alemanha desde Barbosa em 1950. No terceiro jogo contra o Japão, ele foi o primeiro goleiro brasileiro a ser substituído durante um jogo de Copa, dando lugar a Rogério Ceni, na esperança do mesmo se tornar o primeiro de sua posição a balançar as redes no torneio. O Brasil parou nas quartas de final ao perder de 1x0 para a França. Depois dessa Copa Dida anunciou a sua retirada da seleção brasileira. Em 2007 ele ajudou o Milan a conquistas pela sétima vez a Liga dos Campeões da Uefa e o seu quarto título mundial de clubes.

Após a temporada 2010/2011 Dida se afasta da equipe, indo defender a equipe no Mundialito de Futebol de Areia. Dida volta ao futebol de campo em 2012, onde jogou na Portuguesa. Em 2013 vai para o Grêmio e no ano seguinte foi jogar no rival Internacional, ajudando na conquista do título gaúcho.

 

Fonte: Windson Alves‎ / Todas as Copas do Mundo

 

COMENTÁRIOS
Comentário enviado com sucesso!
PUBLICIDADE